Em busca da paternidade presente

0

Agatha Carriello | Agosto 06, 2021

Experiências de um pai de primeira viagem

Por Fernando Moraes

Refletindo sobre o que escrever no tema paternidade, a convite do nosso time de Well Being, concluí que poderia ser útil compartilhar algumas estratégias que eu uso para passar o máximo de tempo possível - e com qualidade - com meu filho, o que deve ser um dos principais objetivos da maioria dos pais e mesmo de outros cuidadores.

Há 4 anos, desde que ele nasceu, tenho conseguido manter uma média de convívio diário dentro do que definimos como saudável na nossa família, com alta qualidade (praticamente 100% de atenção), todos os dias da semana, com poucas exceções. 

Para isso, algumas escolhas me ajudaram muito. Os itens que listo abaixo não são uma fórmula ou prescrição, e sim apenas um relato da minha experiência, testados na minha realidade mas que talvez possa ser útil a mais pessoas. 

1) Planejar atividades que divertem a ambos

Dentre as inúmeras atividades que podemos escolher fazer juntos com nossos filhos, priorizar as que divertem ambos parece uma escolha natural. Mas com tantos aconselhamentos que recebemos como pais e mães diariamente, é fácil esquecer dessa opção. Vale a pena tentar várias alternativas porque algumas provavelmente não vão dar certo.

No meu caso, por exemplo, meu filho não gosta de empinar papagaio e jogar futebol tanto quanto eu. Mas gosta de Lego, bolinhas de gude e andar de bicicleta. Nas duas primeiras passamos poucos minutos, mas nas três últimas passamos horas e horas nos divertindo e convivendo de forma saudável.

2) Deixar o celular de lado temporariamente

Essa é quase óbvia, porém nem todos estamos completamente cientes de quanto tempo estamos olhando para a tela, na presença deles. Vale uma análise diretamente nos aparelhos - Android e iPhone trazem análises sobre tempo de uso, nativamente.

O objetivo aqui é não deixar que interrupções sem valor, como notificações de redes sociais, afetem o que temos de mais valioso que é a atenção plena aos nossos filhos. 

É impressionante como esse simples ato melhora a profundidade da experiência com eles.

3) Ter consciência de que, durante alguns anos, pode ser preciso abdicar de algum hobby

Se antes da paternidade não ficamos uma grande quantidade de horas por dia sem fazer absolutamente nada, é de se esperar que tenhamos que realocar nosso tempo para criar espaço para essa dedicação.  

Para acomodar as horas de qualidade com meu filho, tive que diminuir bastante dois hábitos que eu tinha: ler bastante à noite, e trabalhar com madeira no final de semana. Claro que é desconfortável inicialmente, mas é algo superável e que poderá ser retomado em alguns anos. 

A forma mais eficaz que eu achei para substituir o “descanso mental” proporcionado pelos hobbies foi a meditação. Existem aplicativos gratuitos com o da Universidade da Califórnia - Los Angeles que ajudam bastante nesse sentido.  

4) Priorizar qualidade de vida na hora de escolher uma empresa para trabalhar

Tendo trabalhado vários anos como consultor antes de vir para a Daitan, conversei com muitos pais em empresas clientes que tinham que sair de casa antes dos filhos acordarem, e muitas vezes chegavam depois de eles já estarem dormindo. Nessa época, decidi que comigo seria diferente.

Minimizar o tempo de deslocamento para o trabalho (morar perto ou trabalhar remotamente) e trabalhar em uma empresa como a Daitan que tem horários flexíveis e onde a qualidade de vida é um dos valores centrais, para mim foi muito importante para exercer melhor o papel de pai.

Por exemplo, em exceções em que há um pico de trabalho por conta de algum evento específico, costumo fazer uma pausa logo depois das 18h, ficar com meu filho até o momento em que ele vai dormir e depois voltar mais um pouco para finalizar o trabalho. 

Conclusão

Em um tópico tão complexo como a paternidade, tentei compartilhar algo simples - minhas estratégias para maximizar tempo de qualidade com meu filho - com a esperança de que possa ser útil a um pai ou futuro pai. 

Ajudar um outro ser humano a se construir - seja como pai, mãe ou qualquer outro papel de referência para a criança - é uma atividade de imensa responsabilidade. Que todos nós responsáveis possamos, cada vez mais, organizar nosso tempo para nos dedicarmos aos nossos filhos e com isso, ajudarmos a construir um mundo melhor a partir de pessoas mais felizes e saudáveis!

One Step Closer

Fill Out Later